MOBILIZAÇÃO 15/05/2019 21:02

Estudantes de Botucatu fazem protesto contra cortes na educação

Estudantes de Botucatu se concentraram nas ruas centrais da cidade para protestar contra contingenciamento de verbas, principalmente em pesquisas, decisão anunciada pelo governo federal. 

Segundo a organização houve a mobilização do Movimento Estudantil, Sintunesp, ASU, AD Unesp, Estudantes Secundaristas, Apeoesp, Sindicato dos Metalúrgicos, Sindicato dos Servidores Municipais, Coletivos e Instituições de ensino. 

Não foram registrados problemas durante o ato. 

Brasil 

Em diversas cidades brasileiras, estudantes, trabalhadores da educação e sindicalistas se mobilizam  hoje (15) para protestar contra o bloqueio de verbas das universidades públicas e de institutos federais. Convocados por entidades como a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), os atos também criticam a possibilidade de extinção da vinculação constitucional que assegura recursos para o setor e a proposta de reforma da Previdência.

Segundo a CNTE, foram programados atos previstos nas 27 capitais brasileiras e em várias outras cidades do país.

 

São Paulo 

Os manifestantes tomaram completamente o vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista, região central da capital. Os dois sentidos da via e as calçadas também foram ocupados. Na multidão, muitos estudantes, além de professores universitários, estaduais e municipais. Nas universidades públicas houve chamado para paralisar as atividades. Na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), não houve aula em nenhuma das faculdades, apenas as áreas essenciais de manutenção funcionaram. Na Universidade de São Paulo (USP) e na Universidade Estadual Paulista (Unesp), a decisão de assistir às aulas ou ir ao protesto ficou a cargo dos estudantes.

O Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp) divulgou nota em apoio à manifestação. O comunicado destaca que as três instituições são respondem “por mais de 35% da produção científica nacional e são responsáveis por 35% dos programas de pós-graduação de excelência no país”.

De acordo com o conselho, no Brasil e em países desenvolvidos a pesquisa é financiada majoritariamente pelos governos. “Interromper o fluxo de recursos para estas instituições constitui um equívoco estratégico que impedirá o país de enfrentar e resolver os grandes desafios sociais e econômicos do Brasil.”

 

(Do Agência14News/ Agência Brasil/ Fotos: Daniel Carvalho).