POWER RACING NEWS 17/10/2017 08:45

Copa Truck, Nascar, Moto GP, semana da indústria automobilística e Volta Rápida com Reinaldo Filho

Copa Truck abre a Copa Sul/Sudeste em Tarumã/RS, NASCAR Monster Energy Cup em Dover, MotoGP no Japão, semana da indústria automobilística, “História da Indústria Automobilistica Nacional”, e “Volta Rápida”

Copa Truck abre a Copa Sul/Sudeste em Tarumã, com vitória de Danilo Dirani e Witold Ramasauskas

            O paulista Danilo Dirani venceu a primeira corrida da Copa Truck no Autódromo de Tarumã neste domingo (15).

            Em uma disputa acirrada com Felipe Giaffone, que chegou a ocupar a primeira posição, Dirani retomou a ponta para Ser P1.

            Na P3 deu piloto Paulo Salustiano, que marcou sua estreia na Copa Truck, depois de correr por muitos anos na extinta F-Truck. “Salu” como é conhecido por todos nas pistas, tem vasta experiência no automobilismo nacional, principalmente com Trucks de 6 toneladas.

            Na P4 ficou Roberval Andrade e Beto Monteiro levou a P5,  fechando o top 5.

TOP TEN  da corrida 1

Pos.    Piloto

  1        Danilo Dirani (SCANIA #28)
  2        Felipe Giaffone (VW #4)
  3        Paulo Salustiano (VW #55)
  4        Roberval Andrade (IVECO #15)
  5        Beto Monteiro (IVECO #88)
  6        Debora Rodrigues (VW #7)
  7        Renato Martins (VW #9)
  8        Witold Ramasauskas (VW #13)
  9        Adalberto Jardim (VW #5)
10        Jaidson Zini (SCANIA #25)

       

            E, valendo a inversão do grid para os 8 primeiros, o paulista Witold Ramasauskas (VW) largou na pole e venceu, pela primeira vez na Copa Truck, a corrida 2 em Tarumã.

            Witold, pilotou com consciência e, usando a força do Truck VW somada à briga entre Renato Martins, Débora Rodrigues, Adalberto Jardim (ambos da mesma equipe de Witold), que inclusive ocasionou um toque entre Renato e Jardim, que tirou Renato da corrida e danificou seu Truck, e que provocou uma bandeira amarela, bandeira essa que beneficiou Witold e freou a subida de Danilo Dirani no grid. Dirani, largou na P8 e no momento da bandeira já estava na P7 mas, como o Scania #28 mostrou em Tarumã que tem um conjunto forte e competitivo, chegaria fácil às primeiras posições.

            Com isso, bastou a Witold manter seu ritmo forte e controlar suas emoções, extravazadas logo após a bandeirada final.

            Na P2, ficou Roberval Andrade (IVECO) e Felipe Giaffone (VW) levou a P3. Adalberto Jardim (VW) foi o P4 e Débora Rodrigues (VW) fez um excelente P5.

 

Classificação da Copa Sul/Sudeste da Copa Truck.

Pos.                Piloto                                     Pontos

  1                    Felipe Giaffone                      42

  2                    Roberval Andrade                  40

  3                    Danilo Dirani                          39

  4                    Witold Ramasauskas             37

  5                    Débora Rodrigues                  31

  6                    Adalberto Jardim                   30

  7                    Luiz Lopes                              24

  8                    Ronaldo Kastropil                   24

  9                    Jaidson Zini                            21

10                    Paulo Salustiano                    20

11                    Beto Monteiro                        16

12                    Renato Martins                      14

13                    Djalma Fogaça                      13

14                    Fabio Fogaça                         12

15                    Regis Boessio                          8

16                    Wellington Cirino                      0

17                    Duda Bana                               0

18                    Joel Mendes Jr.                       0

19                    João Maistro                            0       

 

            Com um sistema de pontuação diferenciado de tudo que existe hoje, as chances de conquistar a Copa Sul/Sudeste vai de Felipe Giaffone (lider) até Fábio Fogaça (14°). A etapa em Interlagos promete ser das mais disputadas.

            Interlagos também marcará a saída da Ford da Copa. Djalma Fogaça, que corre com a marca a 20 anos, e desde 2013 não tem mais o apoio da fábrica, anunciou em primeira mão para esta coluna que já tem tudo acertado com a IVECO para 2018, que dará apoio total à equipe 72 Brothers.

            A Copa Truck encerra a temporada e a Copa Sul/Sudeste em Interlagos/SP, no dia 17 de dezembro.

                                     

NASCAR Monster Energy Cup correu em Talladega com vitória de Brad Keselowski, “Big Ones”, bandeiras vermelhas e 25 carros fora da prova

            Enquanto as atenções dos fãs e jornalistas se voltavam à última prova de Dale Earnhardt Junior em Talladega, justamente no dia em que a última vitória de seu pai completou 17 anos no mesmo local, Brad Keselowski foi quem roubou a cena.

            Na verdade, os Big Ones acabaram chamando mais a atenção do que o desempenho do piloto que completou a corrida de número 300 de sua carreira. Keselowski não foi coletado em nenhum dos acidentes, que trouxeram três bandeiras vermelhas e 11 amarelas. Com isso, os abandonos pelos acidentes chegaram a inéditos 25 carros.

            Na última relargada, faltando três voltas para o final, ele superou Ryan Newman para o 24º triunfo de sua carreira, encerrando o jejum de 13 provas sem vitórias da Ford. Foi o terceiro êxito do ano, o quinto na mítica pista do Alabama.

            Com o resultado, ele se junta a Martin Truex Jr., que ganhou em Charlotte na semana passada, para a próxima etapa da fase final da Cup em que oito pilotos brigarão pelo título.

            Newman garantiu o segundo posto, seguido de Trevor Bayne, Joey Logano e Aric Almirola. 
            Dale Jr., que também conseguiu fugir das batidas, finalizou a corrida em sétimo.

            Kyle Busch, Matt Kenseth, Ricky Stenhouse Jr. e Jamie McMurray estariam eliminados caso a atual fase terminasse hoje.

            A próxima etapa da NASCAR Cup, que efetivamente vai tirar quatro pilotos da briga, acontece no Kansas, no próximo domingo.

           

TOP TEN em Talladega:
Pos.    Piloto                                     Equipe

  1        Brad Keselowski                     Ford Fusion #2

  2        Ryan Newman                         Chevrolet Camaro SS #31

  3        Trevor Bayne                          Ford Fusion #6

  4        Joey Logano                           Ford Fusion #22

  5        Aric Almirola                            Ford Fusion #43

  6        Denny Hamlin                         Toyota Camry #11

  7        Dale Eamhardt Jr.                   Chevrolet Camaro SS #88

  8        Kasey Kahne                           Chevrolet Camaro SS #5

  9        Gray Gaulding                         Toyota Camry #83

10        David Ragan                           Ford Fusion #38

 

            E falando das marcas, A Ford emplacou 5 Fusion no Top Tem, seguida pela Chevrolet com 3 Camaros SS e Toyota com 2 Camrys. Na primeira prova em Talladega, a Ford já havia mostrado sua supremacia nessa pista, confirmada agora.

            A Energy Cup corre no Kansas no próximo domingo, onde mais 4 pilotos serão eliminados da disputa pelo campeonato de 2017.

Veja nova tabela:

Pos.    Piloto                         Equipe                                   Carro                                     Pontos          

  1        Martin TruexJr.          Furniture Row Racing            Toyota Camry                        3059

  2        Kyle Busch                 Joe Gibbs Racing                  Toyota Camry                        3041

  3        Kyle Larson                Chip Ganassi Racing             Chevrolet Camaro SS           3034

  4        Brad Keselowski        Team Penske                        Ford Fusion                            3020

  5        Jimmie Johnson         Hendrick Motorsports            Chevrolet Camaro SS           3017

  6        Kevin Harvick            Stewart Haas Racing             Ford Fusion                            3015

  7        Denny Hamlin            Joe Gibbs Racing                Toyota Camry                           3013

  8        Ricky Stenhouse Jr.  Roush Fenway Racing          Ford Fusion                            3010

  9        Ryan Blaney              Wood Brothers Racing          Ford Fusion                            3008

10        Chase Elliott               Hendrick Motorsports           Chevrolet Camaro SS           3006

11        Matt Kenseth              Joe Gibbs Racing                  Toyota Camry                        3005

12        Jamie McMurray       Chip Ganassi Racing             Chevrolet Camaro SS           3003

 

MotoGP correu no Japão, com muita chuva, quedas e vitória de Dovizioso e sua Ducati

            A chuva torrencial que caiu em Motegi neste domingo (15) fez a corrida da MotoGP ser uma das mais tensas da temporada. O duelo entre Marc Márquez e Andrea Dovizioso foi até a última curva da última volta e teve, assim como na Áustria, o italiano saindo como vencedor.

            Marc Márquez assumiu o primeiro lugar na metade da prova após passar Danilo Petrucci. Andrea Dovizioso o seguiu, e a partir daí o duelo que se seguiu até as últimas voltas certamente entrará na história do Mundial de Motovelocidade.

            Dovizioso passou Márquez a seis voltas do fim, no entanto o espanhol respondeu duas voltas depois e retornou ao primeiro lugar. Na última volta, tudo parecia seguro para Marc. No entanto, um erro na curva 8 deu a chance de Dovi encostar de novo. Ele não desperdiçou a chance e superou Marc na curva 11. Márquez ainda tentou retornar à liderança na última curva, mas tomou o troco de Dovizioso.

            Único dos primeiros a sair com o pneu extra macio, Petrucci ficou para trás na metade da prova e deixou a briga do primeiro lugar para Márquez e Dovi.

Pole position, Johann Zarco chegou em sétimo após perder um duelo contra as duas Suzukis de Andrea Iannone e Alex Rins. O italiano e o espanhol fizeram suas melhores corridas do ano e foram quarto e quinto colocados.

            Saindo de quinto no grid, Jorge Lorenzo liderou o início da prova, mas não conseguiu ter bom ritmo nas voltas seguintes e foi caindo na classificação. O piloto da Ducati conseguiu se recuperar no fim e finalizou em sexto, à frente de Aleix Espargaró.

            Maverick Viñales fez prova opaca e finalizou apenas em nono, se distanciando dos dois líderes do mundial.

            Depois de fazer largada cautelosa de 12º no grid, Valentino Rossi acabou caindo na sexta volta enquanto ocupava a oitava posição à frente de Viñales e Lorenzo.

            Com o acidente, o piloto italiano não tem mais chances matemáticas de título em 2017.

 

Grid final em Montegi/Jap

Pos.    Piloto                                     Moto

  1           Andrea Dovizioso                              Ducati  #4

  2           Marc Marquez                                   Honda  #93

  3           Danilo Petrucci                                   Ducati  #9

  4           Andrea Iannone                                 Suzuki  #29

  5           Alex Rins                                             Suzuki  #42

  6           Jorge Lorenzo                                    Ducati  #99

  7           Aleix Espargaro                                 Aprilia  #41

  8           Johann Zarco                                     Yamaha  #5

  9           Maverick Viñales                               Yamaha  #25

10           Loriz Baz                                              Ducati  #76

11           Pol Espargaro                                    KTM  #44

12           Katsuyuki Nakasuga                        Yamaha  #21

13           Sam Lowes                                        Aprilia  #22

14           Hector Barbera                                  Ducati  #8

15           Tito Rabat                                            Honda  #53

16           Scott Redding                                    Ducati  #45

17           Bradley Smith                                    KTM  #38

18           Hiroshi Aoyama                                 Honda  #7

 

Não terminaram:

Piloto                                                   Moto

Alvaro Bautista                                   Ducati  #19

Dani Pedrosa                                     Honda  #26

Karel Abraham                                  Ducati  #17

Cal Crutchlow                                    Honda  #35

Valentino Rossi                                  Yamaha  #46

Kohta Nozane                                    Yamaha  #31

            A próxima etapa ocorre na semana que vem na Austrália.

 

A semana do mercado automobilístico

            A Citroën C4 Picasso é hoje, sem dúvida, a minivan que alia conforto para uma família de 5 ou 7 pessoas, ao luxo oferecido por carros mais caros.

            O modelo, derivado da fora de linha Xsara Picasso, minivan que a marca trouxe para o Brasil nos idos de 2001, apresenta itens de conforto e sofisticação aquém das expectativas.

            Um dos motivos é a sobrevivência na categoria. Mesinhas dobráveis, porta copos, tomadas 12V, porta-objetos, cortina corta-sol retrátil e um generoso espaço no banco traseiro são alguns dos itens que a marca fez uso para conquistar seu público: famílias que buscam um carro confortável para viagens e seu dia a dia.

            Seu porta malas, com capacidade para 537 litros de bagagens, é espaçoso o suficiente para levar todas as malas de uma família de 5 pessoas. Carrinhos de bebê também tem acesso fácil no compartimento, devido á sua boa largura.

            Sua versão de entrada, a Seduction, parte de R$ 121.400,00 e vem de fábrica com 6 airbags, controles de tração, estabilidade e antipatinagem (a famosa “cantada de pneu”), ar-condicionado automático com 4 zonas de temperatura independentes, painel digital (uma tradição dos modelos Picasso) e central multimídia com sistemas Android Auto e CarPlay.

            Já a Intensive, custa R$ 132.000,00 e inclui alarme, faróis direcionais, teto panorâmico e painel de instrumentos digital colorido.

            A Confort, que adiciona bancos dianteiros com massagem (boa essa!), apoio para os pés do passageiro, câmera 360” que ajuda nas manobras e detectores de obstáculos na dianteira e traseira. Essa versão custa R$ 141.900,00.

            E por R$ 161.900,00, você leva para sua garagem a versão Luxe, que vem equipada com leitor de placas de velocidade (a chamada “esposa virtual”), troca automática de farol alto para baixo, alerta de desvio involuntário da rota, sistema de estacionamento autônomo em vagas paralelas a 90° e bancos em couro. Vale lembrar que toda versão superior à apresentada possui todos os equipamentos da anterior mais os acrescentados á versão escolhida. A Luxe vem com todos equipamentos da Confort mais seu pacote de acessórios.

            Todos modelos vem equipados com o excelente motor 1.6 16v e 4 cil, turbo a gasolina, que gera bons 165cv e um torque de 24,5 kgf/m, acoplado no novo câmbio automático de 6 marchas.

            Para um carro com 1.405 kg de peso, a média de 12,2 km/l é muito boa, se comparada a carros menores como VW Gol iTrend (média de 10,7 km/l).

            E para 7 pessoas, a Citroën mantém a Grand C4 Picasso, cuja versão de entrada parte de R$ 131.400,00 (Seduction) a R$ 142.000,00 (Intensive).

            As diferenças com relação à sua irmã menor são a traseira mais longa e levemente arredondada, que comporta 2 bancos instalados sob o assoalho do porta malas e a diminuição da capacidade do porta malas de 575 para 130 litros, quando os últimos bancos estão em uso.

            Ainda se tem a opção de adicionar à versão Intensive o pacote Confort, que eleva seu preço para R$ 167.400,00.

            Valores um pouco elevados mas que podem valer à pena.

            Opção mais barata, o Jeep Compass oferece conforto, luxo e agilidade no trânsito, também tradição da Jeep, mas peca no quesito economia.

            A Jeep, marca criada nos Estados Unidos em meados da década de 40, tem como tradição carros robustos, com motores fortes e que podem ser utilizados em qualquer terreno.

            O Compass, parte de R$ 134.990,00 na versão Limited, com motor 2.0 flex, e chega a R$ 160.990,00 com motor 2.0 turbodiesel de 170cv e tração nas 4 rodas.

            Uma opção que não deve ser desprezada quando for pensar em minivans.

            E a 21° edição da Fenatran – Feira Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas começou na segunda feira (16).

            A feira é esperada por profissionais do setor pois é nela que as principais montadoras e outras empresas do ramo rodoviário de cargas apresentam seus produtos.

            Neste ano, uma das novidades é a linha de caminhões médios da Mercedes-Benz, Accelo, que ganhou novas opções de cabine e acabamento interno. A Mercedes apresenta também uma versão de seu furgão Sprinter, que comemora seus 20 anos de fabricação. Essa versão vem equipada com câmera de ré, que ajuda muito em manobras.

            A IVECO, mostra as últimas novidades da marca, como o Tector Auto-Shift, equipado com transmissão automatizada de 10 marchas.

            A Volvo levou para a Fenatran seu FH Performance Edition, cavalo mecânico que faz alusão aos 90 anos da marca no mundo.

            Mas, acreditamos que a grande novidade será o FORD Cargo Connect. A marca criou seu conceito de truck semiautônomo. Esse sistema atua tanto na condução quanto na detecção de anomalias com o motorista ou no truck.

            Outra grande novidade é o lançamento de um sistema acoplado a um boné, também criado pela FORD em parceria com o Instituto do Sono, da UNIFESP, de São Paulo.

            Esse sistema, batizado de Boné Alerta e alimentado por baterias comuns das mesmas usadas em relógios de pulso, possui um aplicativo capaz de mapear em tempo real, todos os movimentos do motorista e detectar se o mesmo está entrando em estado de dormência, cochilo ou sono. Quando é detectado um movimento indicativo de possível perda de consciência, o boné emite conjuntamente sinal sonoro, sinal luminoso (nos olhos do motorista) e sinal vibratório (emitido nos dois lados da cabeça). Com isso, espera-se que o motorista acorde ou recobre sua consciência. Testes preliminares indicaram uma eficiência superior a 95%. A adesão dos motoristas ao equipamento tem sido satisfatória.

            A FORD pretende disponibilizar a todos motoristas que desejem usá-lo. Deverá vender o equipamento em sua rede de concessionárias. O preço ainda não foi divulgado e nem se serão vendidos em toda rede FORD ou só nas concessionárias FORD Caminhões.

            A Fenatran termina na sexta-feira (20), e acontece no SP Expo, antigo Expo Imigrantes.

 

        História da Indústria Automobilística Nacional – Fiat 147 – primeiro modelo fabricado pela marca no Brasil 

            Primeiro carro produzido pela FIAT do Brasil que inaugurava sua fábrica em Betim (MG) em 1976, o 147 foi um divisor de águas no mercado automobilístico nacional. O excelente aproveitamento de espaço interno, a imbatível economia (importantíssima em tempos de crise do petróleo) e até então inédita estabilidade, fez dele um carro que definitivamente entrou para história e mudou para sempre o jeito de se fazer automóvel no Brasil.

            O carro foi mostrado oficialmente pela primeira vez no X Salão do Automóvel, realizado no dia 18 de Novembro de 1976. Foram expostas 15 unidades do FIAT 147 pintadas em cores diferentes e inclusive protótipos de 147 movidos à Álcool (hoje Etanol). Assim que chegou ao mercado nacional, o FIAT 147 ganhou o título de mais estável carro nacional, colocando no bolso de uma única vez o VW Passat, o Chevrolet Chevette e o Dodge 1.800/Polara. Como se não bastasse, era também o carro de passeio no Brasil com o menor motor e, sabendo disso, a FIAT logo conquistou diversos compradores com suas propagandas inusitadas e ousadas.

           

 Em seus dez anos de produção, o FIAT 147 passou por duas reestilizações sem grandes mudanças na carroceria e ganhou o título de Carro do Ano de 1978 pela Revista Autoesporte. Na primeira reestilização ganhou uma frente mais baixa com faróis e grade inclinados, no estilo que a marca chamou "Europa" em 1980 e, mais tarde em 1983, a segunda que foi chamada de "frente Spazio", incorporando para-choques de plástico envolventes no estilo alusivo a modelos contemporâneos da marca como o Fiat Ritmo e o lançamento do ano seguinte Fiat Uno. O Spazio foi oferecido nas versões CL, CLS e o esportivo TR substituindo o "147 Rallye" que tinha câmbio opcional de 5 marchas.

            Apesar da intenção inicial da FIAT em competir com o Volkswagen Fusca que inegavelmente tinha um desempenho e consumo inferiores, o 147 batia de frente com concorrentes como Volkswagen Brasília e Chevrolet Chevette. A Revista Autoesporte fez um comparativo à época entre estes modelos e devido à modernidade do projeto o 147 foi o vencedor.

            Originou uma versão picape lançada em 1978, a princípio chamada de Fiat 147 Pick-up. Em 1982, ganhou plataforma igual a da Panorama e passou a se chamar Fiat Fiorino. Na mesma época, foi lançado a versão furgão, que é produzido até hoje, na plataforma do Uno e de nome Fiorino.

            A perua Fiat Panorama, foi lançada em 1980 e a versão sedã, Fiat Oggi, em 1983. O Fiat 147 Pick-up também possuía uma versão com cabine dupla, que era adaptada posteriormente a fabricação do carro.

            A autorizada encomendava a cabine de empresas que fabricavam cabines na época (Brasinca, Tropical e Sulan) e instalava a cabine na autorizada, comercializando direto na loja com garantia de fábrica. Poucas unidades com cabine dupla foram comercializadas e o Fiat 147 Pick-up cabine dupla é muito difícil de ser encontrado nos dias de hoje, se tornando objeto de colecionadores.

            Essas versões tiveram vida curta (apenas até 1986). A versão Hatchback do 147 saiu de linha no Brasil em 1986 sendo substituída pelo Uno, embora o Spazio continuasse sendo montado para exportação até 1993, e o ferramental de produção foi em parte transferido para a Argentina, onde foi montado até 1996. As versões pick-up e furgão (Fiorino) foram substituídos pela plataforma do Fiat Uno em 1988. Na argentina foi lançado em 1986 com o nome de 147 Brio.

            Com intuito de impressionar o público brasileiro que era pouco acostumado com novidades relevantes no que se referia à automóveis, a FIAT realizou diversos comerciais até hoje lembrados por muitos e felizmente disponíveis no YouTube.

            Um deles foi a travessia da Ponte Rio-Niterói (recém-inaugurada) com consumo de menos de 1 litro de combustível (3/4 segundo o comercial), feito impressionante para a época.

            Além dele, outro comercial focava na resistência e tenacidade do modelo, comparando com um jovem reservista e colocando no campo de provas de Gericinó.

            Em tempos de Governo Militar, tal comparação foi extremamente bem recebida pelo público e tal como várias outras, marcou a memória de vários daquela geração.

            O motor do FIAT 147 certamente é uma das peças mais importantes e relevantes até hoje no que se refere à indústria automobilística brasileira. Projetado por ninguém menos que Aurelio Lampredi, o FIASA - como era chamado - durou muito mais do que o próprio 147 e foi responsável por boa parte do sucesso do "carrão pequeno" em nossas terras e também por parte da má-fama que resiste até hoje.

            Desenhado especialmente para o mercado brasileiro já que o de 800cm³ do 127 era fraco demais para cá, o FIASA dispunha à época de seu lançamento de 1.050 cilindradas, 7,2:1 de taxa de compressão (devido à péssima qualidade da gasolina à época) e 55 CV SAE que levavam o FIAT 147 à 135km/h de velocidade máxima e, mais importante ainda para a época, médias louváveis de consumo até para os dias de hoje.

            A mecânica sofisticada do 147 à época demandava conhecimentos técnicos e ferramentas até então pouco conhecidas pelos mecânicos.

            Muitos 147 tiveram sua correia dentada partida antes dos 40.000km estabelecidos pela fábrica devido à necessidade - que era única do FIAT 147 - em girar-se o motor no sentido anti-horário após a instalação da correia nova, com o intuito de distribuir corretamente a tensão na mesma.

            Num mercado tomado de mecânicos pouco experientes, mal-treinados e inobservantes à detalhes, o caminho seguiu para que toda culpa fosse jogada no automóvel.

            Além disso, seu câmbio também fora injustamente criticado por apresentar maior dificuldade para o engate das marchas em suas primeiras versões, característica que apesar de amenizada com o passar dos anos jamais fora abandonada.

            Mesmo com toda sua má reputação, o 147 atualmente reúne milhares de admiradores e apaixonados, possuindo por vários lugares do Brasil clubes e grupos de destaque que estão sempre se reunindo e promovendo o modelo. Estão dentre eles a FIAT 147 Brasil - maior comunidade nacional do modelo, o 147 FIAT Clube do Rio de Janeiro (responsável pelo encontro no qual participou o 1º FIAT do Brasil), o Amigos do 147, o Eu Tenho um FIAT 147 e outros grupos, sendo estes os de maior atividade e relevância.

            Sua importância para a indústria automobilística brasileira é tanta que em 2016 foi publicado pela Editora Alaúde o livro "Clássicos do Brasil: FIAT 147", escrito por José Rogério Lopes de Simone e Rogério Ferraresi. O livro conta de forma extremamente minuciosa e detalhada a história não só do FIAT 147 mas também da FIAT e como se deu sua instalação no Brasil em 1976.

            E diferentemente da absoluta maioria dos carros nacionais, o FIAT 147 teve a sorte de ter sua primeira unidade doada em 1976 para a recém criada Associação Nacional de Concessionários.

            A Associação em um sorteio à época premiou a Concessionária Milocar com o carro. Desde então, o veículo encontra-se exposto no hall da Concessionária localizada na cidade do Rio de Janeiro e é o "santo graal" para os apaixonados por 147 e por FIAT em geral.

            Conta-se que a FIAT tentou reaver a unidade na década de 90 oferecendo até mesmo uma carreta cheia de Elbas à concessionária, que para felicidade dos apaixonados e entusiastas não aceitou.

            Em Maio de 2016, o 147 FIAT Clube/RJ realizou seu evento de aniversário no pátio da Milocar e conseguiu, junto à administração da concessionária, que o 000001 fosse retirado de dentro da loja e exposto fora da loja, contando até mesmo com uma breve volta nas ruas ao redor da loja. O site de cultura automobilista FlatOut! contou de forma detalhada o encontro.

            O pioneirismo do 147 marcou uma grande evolução nos veículos fabricados no país. O 147 foi:

- Primeiro carro da Fiat produzido no Brasil, marcando o início das operações em 9 de julho de 1976, em Betim - Minas Gerais;

- Primeiro carro brasileiro com motor transversal dianteiro;

- Primeiro carro no Brasil com coluna de direção articulada;

- Primeiro carro a álcool fabricado em série em todo o mundo (a partir de 1979);

- O menor carro a diesel da época, sendo vendido na Europa e Argentina;

- Primeiro carro brasileiro com todas as "variantes": hatch, sedan, perua, furgão e pick-up, faltando apenas as variantes conversível e utilitária esportivo;

- Primeiro carro brasileiro com o estepe junto ao compartimento do motor, ou seja, embaixo do capô dianteiro;

- Primeiro carro no Brasil a utilizar para-choques de plástico polipropileno em larga escala (no modelo Europa em 1980);

- Primeiro carro brasileiro com desembaçador traseiro.

Fonte: WIkipédia

 

Volta Rápida

- A F-1 disputa, no próximo domingo, ao GP dos Estados Unidos, no Circuíto das Américas.

Lewis Hamilton, que poderá conquistar seu quarto título mundial se vencer a prova e Sebastien Vettel abandonar ou terminar a prova da P7 para trás, está evitando o chamado “já ganhou”. Sabe que dentro da pista tudo pode acontecer. Está com a política de “vamos esperar a bandeirada final”. Atitude correta.

- Na mesma balada de Hamilton vem Toto Wolf, chefe da equipe Mercedes. Wolf disse que o campeonato ainda não está definido, pois sabe que tanto Vettel quando a Ferrari tem uma capacidade muito grande de superação.

É o “chefão” contendo suas emoções.

- E a novela Felipe Massa X Willians parece que só termina após a temporada acabar. Nada se fala sobre a renovação, conversas e qual o destino do piloto brasileiro em 2018.

O que se sabe é que tanto Massa quanto a Willians estão conversando longe dos microfones e guardam segredo sobre as negociações. O que parece que quem está sendo o interlocutor é Stroll Sr., pai de Lance Stroll.

É esperar para ver. Será muito ruim para o Brasil não se ter um piloto brasileiro na categoria.

O Brasil teve 31 pilotos na F1, cujos nomes relaciono à seguir:

Chico Landi, Gino Bianco, Nano da Silva Ramos, Fritz d’Orey, Emerson Fittipaldi, Wilson Fittipaldi Jr,.  José Carlos Pace, Luiz Pereira Bueno, Ingo Hoffmann, Alex Dias Ribeiro, Nelson Piquet, Chico Serra, Raul Boesel, Roberto Pupo Moreno, Ayrton Senna, Mauricio Gugelmin, Christian Fittipaldi, Rubens Barrichello, Pedro Paulo Diniz, Ricardo Rosset, Tarso Marques, Ricardo Zonta, Luciano Burti,Felipe Massa, Cristiano da Matta, Antônio Pizzonia, Nelson Piquet Jr., Bruno Senna, Lucas Di Grassi e Felipe Nasr. Deles, Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna conquistaram juntos, 8 titulos mundiais para o Brasil.

- Djalma Fogaça, o ‘Monstro”, piloto sorocabano, campeão da F-Ford na década de 90 e hoje piloto da Copa Truck e empresário, que em 2018 estará pilotando um Truck IVECO, criou o 1° Monster Kart Experience. A disputa acontecerá no novíssimo kartódromo de Laranjal Paulista, cuja pista foi projetada pelo próprio Djalma.

As inscrições estão abertas a quem se sentir capaz de disputar com feras do kart. Mais informações no site www.monsterexperience.com.br. Estaremos presente disputando um lugar ao pódio.

 

Fale conosco, estamos esperando sua sugestão sobre matérias, críticas e comentários. Você, amigo leitor, é nosso principal combustível. Esta coluna é feita para você. Nosso e-mail à sua disposição 24 horas, 7 dias por semana é motor14news@gmail.com.

 

Uma boa semana, automaníacos. Até a próxima.

 

“Dói tudo!”   Valentino Rossi, sobre seu tombo que provocou seu abandono no GP do Japão

 

Reinaldo dos Santos Filho mora em São Manuel/SP, tem 49 anos, é jornalista especializado em automobilismo, administrador de empresas, escritor, piloto profissional e motociclista. Pai do Thiago Augusto, Luís Guilherme e Giovanna.

 

Matéria sob responsabilidade do autor (Mtb 82.886/SP)

colunistas

POWER RACING NEWS 21/11/2017 08:31
REINALDO FILHO 07/11/2017 09:16
POWER RACING NEWS 31/10/2017 09:55
POWER RACING NEWS 23/10/2017 22:14
POWER RACING NEWS 10/10/2017 09:14
POWER RACING NEWS 02/10/2017 20:45
POWER RACING NEWS 19/09/2017 09:01
POWER RACING NEWS 12/09/2017 08:41
POWER RACING NEWS 05/09/2017 10:09
POWER RACING NEWS 29/08/2017 10:33
POWER RACING NEWS 22/08/2017 09:24
POWER RACING NEWS 08/08/2017 08:24
POWER RACING NEWS 01/08/2017 13:39
POWER RACING NEWS 25/07/2017 09:29
POWER RACING NEWS 17/07/2017 22:06
POWER RACING NEWS 11/07/2017 08:52
POWER RACING NEWS 04/07/2017 10:42
POWER RACING NEWS 27/06/2017 08:25
POWER RACING NEWS 20/06/2017 09:21
REINALDO FILHO 13/06/2017 09:17
Colunista 20