ASSASSINATO 02/01/2019 21:35

Após cabeleireira de 24 anos ser morta em Osasco, mãe de Botucatu pede justiça

Ana Beatriz e a mãe Dalva. (Foto: Arquivo pessoal)

Dalva Agapito, de Botucatu, espera pela prisão de assassino que matou a sua filha, a cabeleireira Ana Beatriz Lucas, de 24 anos, em Osasco, na grande São Paulo.

No dia 27 de dezembro, logo após cortar o cabelo, o criminoso rendeu os funcionários, clientes e proprietários do salão, e amarrou as vítimas. Ele roubou celulares e outros pertences pessoais e questionou onde ficava o cofre. Após ser informado que não existia, ele ameaçou as vítimas e atirou na funcionária que tinha acabado de cortar seu cabelo.

"Eu só sei o que eu ouço pela imprensa e pela televisão. Vejo muitas críticas ou elogios à ela. Estou triste com as críticas porque era uma menina batalhadora. Ela não saiu daqui pra bagunçar. Saiu daqui para buscar uma vida melhor porque aqui as portas se fecharam. Tinha muito preconceito... não sei. Na porta onde ela bateu foi muito recebida em Osasco. Ela estava muito feliz e gostava do que fazia. Eu preciso de uma resposta, pois estou longe e não tenho notícia e eu queria uma coisa mais concreta... por que isso com a minha filha?", disse a mãe em entrevista à reportagem do Agência14News.

Dalva disse que filha sempre foi batalhadora e depois do primeiro emprego, passou por restaurante, loja de móveis, concessionária de veículos, e depois que não conseguiu mais colocação em Botucatu, fez curso de cabeleireira e tentou montar um negócio em casa, mas não deu certo, até que conseguiu uma colocação em Osasco onde tinha alguns amigos.

"Espero que a justiça seja feita, porque dói muito. Não queria que tudo isso caísse no esquecimento. Preciso que a justiça seja feita. Preciso de respostas sobre tudo, fico aqui no desespero por não ter mais minha filha aqui e sem saber o que está acontecendo", reiterou a mãe da cabeleireira ao site Agência14News.

O site enviou questionamento sobre a investigação à Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo que respondeu o seguinte: "O caso é investigado pelo 6º DP de Osasco e conta com o assessoramento do SHPP do município. As vítimas foram ouvidas e a polícia analisa imagens de câmeras de segurança que possam auxiliar na identificação e prisão do autor. São Paulo, 03 de janeiro de 2019", informou ao site Agência14News.

(do Agência14News)