BOTUCATU 11/09/2019 11:51

Desesperada, mãe conta como quase perdeu 2 mil reais em caso de falso sequestro da filha

Imagem: Agência Brasil

Maria (nome fictício), de 63 anos, passou momentos de desespero na última sexta-feira (06), às 14h30, quando seu telefone fixo tocou e do outro lado da linha uma mulher que a chamava de mãe chorava e pedia socorro.

Logo apareceu uma voz masculina falando palavrões e dizendo que a filha dela estava sendo sequestrada, na empresa onde ela trabalha e ainda falava que já havia um funcionário baleado. 

O bandido exigia dinheiro. Ela foi obrigada a passar o número de seu celular por onde continuou a conversa.

Desesperada, Maria, que estava sendo muito ameaçada, pediu que um vizinho a levasse até o centro da cidade onde sacou 2 mil reais. O bandido não deixava ela desligar o telefone, nem contar a ninguém o que estava ocorrendo.

Assim, ela foi até o caixa de uma lotérica na Rua Amando de Barros e, possivelmente porque a operadora do caixa percebeu que tinha algo errado, disse que não fazia depósitos ali.

Maria então saiu da lotérica e foi abordada na rua pela sua nora, que tomou o telefone de sua mão e desligou. Somente assim Maria percebeu que se tratava de tentativa de golpe. 

Ela, que faz tratamento de síndrome do pânico, voltou para a casa com o dinheiro. Mas o choque sofrido pelos palavrões e ameaças de morte a deixaram bastante assustada e sem conseguir pensar direito. Em seguida, soube que a filha estava bem na empresa em que trabalha na região da Demétria, e que estava se preparando para voltar para a casa. 

"Fui até a delegacia. Lá me falaram que só em julho foram 20 pessoas que sofreram a mesma coisa. Foi uma hora e vinte minutos de muito desespero. Eles usam de muito apelo. Uma hora a pessoa que achei ser minha filha dizia: eu confio na senhora e até: "mãe, você é o amor da minha vida", cita.

O número usado pelo golpista era restrito, sem possibilidade inicial de identificação.

A orientação da polícia é desligar o telefone em casos como esse e em seguida entrar em contato com o famíliar para saber se está tudo bem.

(do 14News)