CRIMES 02/04/2018 18:44

Júri de assassinato de jovem após festa será realizado nessa quinta-feira (05) no fórum de Botucatu

Vânia mostra a foto do filho que foi morto após festa em 2015.

Nessa quinta-feira (05) acontece o julgamento de Wini Costa Terra Santos, que na época do crime estava com 25 anos, e é acusado de matar a tiros o entregador de alimentos, Luan Gustavo da Silva, de 20 anos, no Parque dos Pinheiros, em Botucatu (SP).

Na oportunidade, ocorria uma festa de aniversário, onde segundo a polícia, a comemoração era ao estilo de baile funk, e Luan foi separar uma briga, mas acabou levando um tiro que atingiu uma artéria na região do fígado. Ele chegou a ser socorrido por uma amigo e pela namorada, mas morreu devido às complicações.

No ano seguinte ao crime, a reportagem do site Agência14News conversou com a mãe do jovem assassinado, Vânia Aparecida Fonseca.

Ela alegou na entrevista que o filho nunca teve passagem policial e trabalhava durante o dia fazendo entrega de marmitas e à noite de pizza, e nunca teve envolvimento com crime. Ela, na oportunidade, pela primeira vez falou com uma equipe de reportagem sobre o tema. Ao mesmo tempo aproveitou para dizer que o filho não fazia parte de qualquer grupo criminoso como chegou a ser alegado na época.

A informação inicial dizia que ele fazia parte de um grupo que queria invadir a festa, mas ela afirma que Luan participava do evento a convite do dono da casa e que acabou sendo baleado por tentar separar uma briga que não tinha nada a ver com ele.

Apesar do crime ter ocorrido no ano em 2015, o suspeito de ter efetuado o disparo, Wini Costa Terra Santos, teve a prisão preventiva decretada no ano seguinte e foi preso no mesmo bairro em uma abordagem da Polícia Militar. A prisão foi decretada pela justiça no dia 9 de maio e ele foi localizado no dia 26 do mesmo mês.

Vânia Aparecida Fonseca que vive no bairro Mutirão, no setor sul de Botucatu, diz em nova entrevista ao site que espera que a justiça seja feita. "Esperei muito por esse júri. Eu quero que ele seja condenado pague todo mal que me fez tirando a vida do meu filho. Porque a dor que sinto e a falta dele nunca passa", disse ao site Agência14News nesta segunda-feira, três dias antes do júri. "O juiz anexou no processo que ele matou o Luan por motivo fútil. Quero que todo mundo saiba quem era meu filho um menino honesto trabalhador e um excelente filho"', completou.

ADVOGADOS

No site da Tribunal de Justiça consta que Wini Costa Terra Santos, réu preso, terá como advogado, Vitor Carlos Deléo. Já Vânia, terá como advogado Sebastião de Figueiredo Torres. A promotoria terá Marcos José de Freitas Corvino. O juiz presidente é Henrique Iatarola.

 

RELATOS

Na primeira entrevista ela havia dito: "Era um menino bom, nunca deu trabalho para mim. Trabalhador. Naquele dia trabalhou até meia-noite. E foi apenas dar uma volta a uma festa que foi convidado. E a entrada da festa era um litro de uísque e um energético. E o Eduardo (dono da casa) postou isso no Face dele. Ele era dono da festa porque era aniversário dele. Ele até disse que não convidou, mas convidou sim. Quem levasse isso entrava na festa. O meu filho não tentou invadir. Ele tinha dinheiro porque era trabalhador”, disse Vânia na época.

OUTRO LADO

Nas reportagens anteriores tanto o preso quanto o dono da casa negaram envolvimento com o crime, alegando disparo acidental, e que um grupo queria invadir a festa. Isso hoje é questionado pela mãe de Luan.

 

Curta o Facebook do Agência14News e fique por dentro das notícias de Botucatu e região: www.facebook.com/agencia14news

(do Agência14News)