DISE 05/06/2019 15:15

Universitária de Botucatu é presa pela Polícia Civil por vender bolo de maconha

Material apreendido pela Dise.

Uma universitária foi presa nesta quarta-feira (5) pela DISE - Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes da Polícia Civil, em Botucatu. 

Segundo a polícia, a estudante de 20 anos estava no terceiro ano do curso de biomedicina sendo proveniente de Campinas. Ela estava com manteiga de maconha e óleo com THC (substância da maconha) com o que ela fazia o bolo para vender em baladas e festas universitárias na cidade. 

A prisão ocorreu na residência da estudante, na Rua Isidoro Bertaglia, no Jardim Paraíso. 

O caso foi apresentado na delegacia onde a estudante foi presa em flagrante. 

“A informação é que ela estava vendendo muitas muitos desses bolos em festas. De fato isso se confirmou. Fizemos buscas na casa no momento que ela iria começar a fazer um bolo. Pegamos os ingredientes que ela já tinha preparado, como óleo comestível e manteiga à base de THC. Ela foi presa por tráfico de drogas e encaminhada para a cadeia de Porangaba. Importante dizer o que ela nos evidenciou e também apuramos através de investigações que pessoal das festas estudantes está consumindo muitos bolos e bolachas, tudo a base de THC e isso causar muito mais efeito porque é introduzido no organismo de forma diferente - e nas entranhas - e o efeito é mais intenso com um tempo mais duradouro da ação da droga. A gente quer chamar atenção desses estudantes e dos pais dessa situação que está acontecendo. Já no aspecto criminal a pessoa vai sofrer as mesmas consequências como se fosse no tráfico de outras drogas como cocaína ou grande quantidade de maconha e é disso que esses jovens precisam ter consciência. Também há perigo à saúde pública. Já em relação à parte criminal a lei é bastante severa”, disse o delegado Paulo Buchignani.

O delegado disse que a jovem alegou que não fazia pelo dinheiro e produzia para satisfazer e se firmar com os amigos. “É um embalo da juventude, mas que traz consequências irreversíveis”, comentou o delegado.

(do Agência14News).